Corvo Literário


“Abro a janella, e de repente,

Vejo tumultuosamente

Um nobre corvo entrar, digno de antigos dias.

Não despendeu em cortezias

Um minuto, um instante. Tinha o aspecto

De um lord ou de uma lady. E prompto e recto

Movendo no ar as suas negras alas,

Acima vôa dos portaes,

Trepa, no alto da porta, em um busto de Pallas;

Trepado fica, e nada mais.”

O Corvo – Edgar Allan Poe