Categorias
Colunas Lucas Medeiros

Quero escrever um livro, por onde começar?


Por: Lucas M. L. Medeiros, escritor, romancista, desenhista, bacharel em direito pela UEPB, Campus III, membro da Academia de Letras de Santa Catarina, Seccional Guarabira-PB.


Quando alguém pretende tornar-se escritor, surgem mais perguntas do que respostas, tendo em vista a realidade brasileira. Ou seja, um país onde a cultura é menosprezada, onde o incentivo ao artista é quase inexistente… Essa é a realidade. Outro ponto negativo é a formação do povo brasileiro, que tende a seguir carreiras mais tradicionais do quê artísticas. Pense bem, se a educação já é escassa, imagine aqueles que pretendem viver da escrita?! A escrita na realidade brasileira tende a ser uma atividade secundária por causa da baixa rentabilidade. Mas sempre há uma luz no fim do túnel e este artigo não é uma crítica para fazer você desistir de escrever seu livro. Então vamos aos pontos essenciais.
Por onde começar? Para responder essa questão, é preciso que o(a) futuro(a) escritor(a) saiba o estilo de livro que pretende escrever. Isso vai ser crucial para o início. Tome como exemplo o seguinte: você pretende escrever um livro de poemas, mas escreve de forma tão mecânica e não percebe que está fazendo um artigo ou dissertação. Saber o público para quem você vai escrever também vai ajudar a entender seu estilo de escrita. Você pretende escrever poesia para estudantes de Química? Isso não é um problema, toda e qualquer pessoa pode ler, mas sempre é bom se atenuar ao seu público e escrever algo objetivo ou subjetivo, restringir ou não restringir seu livro. Entenda que muitas vezes é seu vocabulário que vai definir o nível de seus leitores. Esses pontos são bem subjetivos, mas que valem tempo para refletir. No mais, se questione: o que mais gosto de ler? Se não tiver o hábito, eis o momento para criá-lo. Depois se questione o que mais gosta de escrever, e se não tiver o hábito, acredite, é o ponto G para seu salto na literatura. Então você vai entender se vai seguir a linha dos romances, poesias, crônicas, contos, receitas, artigos científicos, biografias, quem sabe até roteiros de novelas, peças teatrais e filmes. Até mesmo os cordéis, que vem se tornando uma das literaturas mais raras atualmente. Sabendo disso, vem o próximo passo.
Como escrever? A melhor forma é ir tentando qualquer coisa. Mas digamos que seja um romance, então o bom seria você fazer um breve roteiro que contenha informações que vão te ajudar no decorrer do seu trabalho, como: local, personagens, estilo (drama, terror, ficção científica…). Isso serve de mote para você ter um início. Quando se trata de poesias, aconselho ler algumas antes de produzir as suas, este conselho serve para qualquer estilo, entenda que um escritor é um eterno leitor.
A dedicação deve se tornar um ritual, pois se você está escrevendo o seu primeiro livro, existem duas possibilidades: ou você vai escrever algumas páginas em um dia ou você escreve um livro num dia, isso não é impossível, mas é um tanto improvável, tendo em mente que é um trabalho gradativo. Então faça uma meta, isso ajuda bastante, escolha um horário para escrever. Escutar música pode ajudar, principalmente quando é instrumental. Priorize seu trabalho, pois ele está sendo feito para outras pessoas consumirem. Então você se torna um quase escritor.
O próximo passo é escolher pessoas de sua confiança para lerem seu trabalho, essas pessoas vão ser sua primeira crítica e não se engane, você vai errar muito e não vai perceber, por isso é crucial que você tenha o auxílio de uma revisão de texto, feita por um profissional. Isso é um dos investimentos que todo escritor deve estar preparado.
Depois disso tudo, vem uma pergunta: como publicar? Existe uma forma gratuita, que é oferecida pela Amazon, se chama KDP, nesse sistema, você publica seu livro em formato e-book, pois no Brasil ainda não é oferecido a publicação física gratuita. Quando você envia o seu original para o KDP, eles vão analisar o seu material e em pouco menos de três dias darão a resposta. Lá, é você que manda. Determina o preço, a fonte, a cor da capa etc. Mas e a capa? Lá tem desenhistas? Não. E isso é outro ponto importante no trabalho de um escritor, o processo de desenvolvimento de uma capa e a escolha de um artista que esteja próximo de sua disponibilidade econômica. Quando você for fazer a sua capa, sempre escreva palavras chaves que representam a sua obra e tente delimitar em umas três palavras aquelas que definem o seu livro, assim fica mais fácil de fazer a arte. Outro ponto importante: as pessoas julgam sim o seu livro pela capa, elas já estão cansadas e só vão ter coragem de ler a sinopse de algo que realmente se destaque, então procure fazer dessa fase uma das que você não vai poupar esforços. Tirando essa forma, há a mais convencional de todas, que é a publicação custeada pelo escritor e com divisão de lucros com a editora escolhida, além de um contrato que pode durar de um há dois anos. Editoras como Suma de Letras, Globo, são voltadas para escritores clássicos ou para os mais antigos do mercado. Então você deve procurar por uma destinada a escritores como você, que estão em início de carreira, como: Viseu, Coerência, Escalares, Chiado… Essas editoras oferecem um ótimo contrato, mas entenda que o custo está, em média, acima de 1500 reais. Então não deixe de procurar editoras regionais. Cada editora tem sua forma de trabalho, procure a que mais lhe agrada. Ainda há editoras independentes, mas são como cristais jogados num oceano de areia. É preciso ficar de olho sempre nos editais.
Então você já decidiu a editora, já enviou seu livro e ela já está perto de finalizar seu primeiro filho, mas você já tem público? As pessoas já sabem que você é escritor? Você não sabe a sorte que tem por ter a internet em sua época, pois antes dela era muito mais difícil, a não ser que você fosse rico. Enfim, o marketing é a ferramenta necessária para o resto de sua vida como escritor. Crie uma página, divulgue trechos e detalhes do seu trabalho. Faça sorteios e busque formas para levar seu livro bem mais longe. É bom tentar marcar entrevistas em rádios, e não ache que elas vão te chamar, pois ninguém te conhece, então não se acanhe, busque mais e mais formas de se divulgar. No mais, o resultado vem quando você recebe elogios e quando as pessoas te pedem autógrafos. Acredito que com isso você vai poder ter uma base. Seu trabalho jamais será fácil e leve o tempo que precisar para enfim publicar, pois o tempo é literalmente amigo da qualidade, talvez não da perfeição.
Um escritor cria histórias e transforma as histórias daqueles que o leem. É um labor árduo, mas é feito por amor, pois esse sim é o único lucro, escrever por amor é só uma das formas de ser feliz.

Deixe uma resposta