CONTO: SOLO DE BANDONEÓN

DE: ERNANE CATROLI

(…) e pode ser que tenhas te exilado atendendo a um apelo interior. Irrevogável. Mas como saber agora de ti – figura de pedra. E se por aqui me embrenho é porque algo nos sustém ainda que por um fio. Um fio de palavras. Revejo a letra da música da nossa história real. O papel com a tua caligrafia miúda desfazendo nas dobras. Mais antiga, a lembrança de aprender dar o nó na gravata quando tu me tornaste um expert na tarefa. E estávamos tão próximos. Tão próximos e aquele calor abrasador. Data deste dia o acerto para dividirmos o mesmo apartamento. E reviver aquela paixão, ancorado na tua juventude, é reacender o arco-íris flamejante. Que o tempo. O tempo amplifica o inextinguível de uma memória. E quem não iria querer a cabine do comandante se o cotidiano de total irrealidade.

 Há muito não tenho notícias tuas e troco o ritmo e as palavras para agora te escrever na ânsia de uma-publicação-digital-ou-impressa-âmbito-nacional na qual – de pronto – tu te reconheças. Programação do dia. É como o rodar de um filme. Tu ainda existes. E existes com tua voz redonda, um jeito de andar, a camisa aberta no peito e  tudo mais que sei de ti até os cheiros da última refeição que partilhamos. Depois. Depois esta minha outra voz e postura mas sem deixar de aqui registrar o legado tão pouco extasiante da tua performance sexual com as pantominas de eterno flerte – que soubeste usar – sem comprometimento. Sem o comprometimento com as entranhas. E o que me apazigua é não ter sido partícipe na mesma intensidade daquele teu falso tesão. Mas o maior descuido – quando te elegi meeiro nessa trajetória de veredas – e exibindo alianças que também resultaram arames retorcidos. Ah, e não esquecer no calmo desta hora: vendi o nosso apartamento mobiliado tal e qual o deixaste. Levei somente o quadro do Rodrigo de Haro. Tão lúgubre.

Ah, meu querido, o triunfo de não mais abrigar nenhuma testemunha sob o meu teto. Cansaço demais – e saibas que sei das fantasias dos reencontros somados às distâncias e às camadas do Tempo. Assim como sei que este conto de um só pulsar – uma mesma atmosfera – é tanto mais vida. Ela própria. Vida. Por onde ainda mapeio teus sinais neste meu corpo gasto, antes que tu sejas total esquecimento. A alma acesa.


 E o rumor triste, vago, brando

         Das cortinas ia acordando

Dentro em meu coração um rumor não sabido

         Nunca por elle padecido.

      Emfim, por applacal-o aqui no peito,

      Levantei-me de prompto, e: «Com effeito,

      (Disse) é visita amiga e retardada

         «Que bate a estas horas taes.

      «É visita que pede á minha porta entrada:

         «Ha de ser isso e nada mais.»

O Corvo – Edgar Allan Poe

8 comentários em “CONTO: SOLO DE BANDONEÓN

Adicione o seu

  1. Enani Catroli. Sua escrita ė de uma sofisticação de palavras que me deixa totalmente estasiasa quando te leio. Do começo ao fim me prende e me faz entrar em sua narrativa e querer ser aquele personagem, com muita paixão. Parabens

    Curtir

    1. MANUELLA, muito grato por sua análise – que emociona – sobre meu texto. Tenho vc na mais alta conta dos meus amigos Escritores: juntos, sigamos!

      Curtir

  2. Com maestria o narrador entra em catarse, e me prende do início ao fim. Quando leio um bom conto fico com saudade da história. Parabéns, Ernane Catroli.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Uma tão grande HONRA a sua Atenção e sua ANÁLISE sensível, séria, referindo-se ao meu conto!. Sei do seu RIGOR LITERÁRIO, SUA PAIXÃO ANTIGA PELAS LETRAS – EXCELENTE ESCRITORA QUE VOCÊ É, DESDE HÁ MUITO. GRATO, ADRIANA.

      Curtir

Deixe uma resposta para Manuella Santos Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Site desenvolvido com WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: