TEXTO POÉTICO: ODE AO NONSENSE

linha de partida

se revolta contra a autoridade com a moleza de quem fala com um amigo. decide seus passos com a pressa de um imortal. lento. os cortes cirúrgicos naquele bife mal passado e a saliva no canto da boca. seca.

a sem gracês do new indie. o próximo hit

a viagem do new tudo. o próximo vixe

o não pensar

a descrição sem pausa. o silêncio engolido entre as palavras. o buraco no não preenchido.

o refrão

o mendigo da bunda de fora e o velho do dente de ouro. praguejavam sem mexer os labios. e sempre que os perguntava, eles estavam só pensando. em quê? em nada!

a fuga e a procura do amor

repete o refrão

a exaltação da verborragia e sua vitória contra o sentido. ouviu barulho, bebeu cachaça, tropeçou até o balcão as três da manhã. e a felicidade de encontrar alguem pior do que você

ponto de chegada

Um comentário em “TEXTO POÉTICO: ODE AO NONSENSE

Adicione o seu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: