Categorias
Malinga Dambo Poesia

POESIA: AMOR ME DETÉM

DE: MALINGA DAMBO

Sacudi a mão para cima e para baixo, em pânico, vendo o vermelho tingir o chão à frente dos meus pés, escorrendo braço a baixo, escarlate por todo o lado, respingando,  gotejando.

Pausânias: o amor é bom e belo apenas quando acrescenta, quando corrobora a busca individual pela virtude. Nunca conheci essa versão de amor, querido, porque o único que você me mostrou foi esse nosso sentimento destrutivo, assassino, dilacerante. 

Click, fez o grampeador do médico, quando ele acabou de fechar o corte que eu fizera quando 

caí da escada.

Nosso amor é filho somente da Penúria, meu bem, e é feio.

Deixe uma resposta