POESIA: CAVALGADA

Na subida da cela,

Dá-se o início a montaria.

Passa-se uma perna

De um lado,

Encosta-se uma perna

De outro.

Na coxa acomodada

É repousada

As mãos do corpo embaixo.

Desliza-se suave

Na extensão interna

Da perna.

Na pegada dura,

Aconchega-se a cintura

Pra frente

E os dedos forçam-na

Pra trás

Lentamente.

No encaixe da nudez,

Acaricia-se o esfregar da bunda.

Logo vai…

Logo vem…

Pescoço enforcado,

Braços apoiados.

Subia…

Descia…

Na visão dos seios,

Cavalgaria.

Um comentário em “POESIA: CAVALGADA

Adicione o seu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: