POESIA: DESVENDAR

Penetra-me, tal qual como eu a ti,
Buscando desvendar-te a lhe despir de seus segredos.

Tal como sinto o teu âmago de dores,
quero que me penetre e se encontre em mim.

Penetro-te, te querendo no meu íntimo, Eu nua, eu tua
Exposta, crua,
disposta, sobreposta.

Te penetro afim de que tu me entres, e me rasgue, a pele,
a carne, a alma.
Te aprofunda no meu grito, desabafo, que me cala,

nas amarras do silêncio.
Que sufoca meu desejo de abrir-me por inteira e livrar-me da angústia da invisibilidade.

Me resgate e me traga nua,
pois quando enfim me sentir esvaziada, pronta estarei para existir.

Penetra-me o olhar,
e enxergue aquilo o que há em mim.

Um comentário em “POESIA: DESVENDAR

Adicione o seu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: