POESIA: ANTROPOFÁGICA

Trágica, vazia, dramática

Me fere o amor que sinto

Sem te amar eu não existo

Pois seu olhar é uma chama

Só existo pra lhe ter

Antropofágica é minha fome

O desejo que me consome

De viver pra lhe querer

Inteiro, em pedaços

Almiscarado,

Temperado em suor

Salgado, sangrando

E eu te devorando 

Me alimentando de você

Teu gozo, meu deleite

Frágil, entregue ao meu canibalismo

Te mordo, te mastigo 

Te amar é um castigo

Pois sou pra ti indiferente

Então te devoro com minha mente

Nessa doce antropofagia

De te ter pra mim um dia

Mesmo efêmero e casual,

Não me faria nenhum mal

Se de ti me preencher, e saber

Que por inteiro te consumi

E a solidão que me assola

Já não mais a me incomodar

Porque volto-me a ser só

Mas estarás para sempre em mim

Um comentário em “POESIA: ANTROPOFÁGICA

Adicione o seu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: