POESIA: GUTURAL

Tinha uma poesia gutural.

As gotas do orvalho bailam ao vento.

Os raios do sol dançavam também.

As nuvens esvoaçantes brincavam

em ser o que não eram.

Havia uma rima implícita.

Um lirismo ilícito.

Pecador solene que

desfilava sua soberania

sobre as coisas.

Na árvore, os frutos espalhavam

o seu cheiro maduro.

Havia uma poesia gutural.

A chuva se avizinhava

O cheiro da terra úmida.

O barulho da chuva nas telhas

e na mata.

Dos galhos pingavam a esperança

de dias melhores.

Eram verdes.

Esverdeados

E até refletiam o azul do céu.

Das palavras em fonemas

saiam o som inexplicável

da poesia.

 Das gotas de sangue

misturadas aos orvalhos

Das gotas de lágrimas,

misturadas as gotas de chuva.

E, tudo tão líquido.

Lavavam a alma,

o espírito e, ainda, o corpo.

Sólido.

Insólito

e, insosso.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Site hospedado por WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: