CONTO: ENCONTRO INESPERADO

Mesmo com o ar-condicionado deixando o ambiente quase gelado, eu sentia um calor insuportável, uma constrangedora gota de suor insistia em deslizar por minhas costas, tudo o que eu queria era estar bem longe, em casa, sentada no sofá com um livro nas mãos, talvez vendo televisão ou mesmo sem fazer nada, somente aproveitando a tranquilidade e a segurança que só sentimos no aconchego de nossa casa… Casa…Que casa…Acabei de saber que teremos que vendê-la, devido à partilha dos bens, em nosso acordo “amigável” de divórcio.

Como sempre, Célio, agora meu ex-marido, fez tudo da forma mais organizada possível: me chamou, após o jantar − formal e requintado −, para dar a notícia de sua decisão, com os documentos e o acordo prontos, até a audiência no fórum já estava marcada; fico a imaginar por quanto tempo ele viveu ao meu lado mentindo, fingindo que estava tudo bem, enquanto elaborava, nos mínimos detalhes, o golpe final em nosso casamento de dezenove anos.

Agora, aqui estou, no segundo andar do fórum da cidade – onde nem em sonhos imaginei que um dia estaria −, esperando pela audiência que definirá legalmente o que me pertence ou não, como se cada objeto, com suas lembranças e familiaridades, não passassem de valores num acerto de contas de negócios; acho que meu casamento se resumiu exatamente nisso: um simples negócio. Mas, mesmo não sendo perdidamente apaixonada por meu ex-marido, me sinto derrotada, perdida, sem saber o que fazer, aparvalhada.

Para tentar esfriar um pouco a cabeça, resolvo ir ao primeiro andar do prédio, onde está sendo exibida uma exposição de arte. Descendo as escadas, vejo pinturas a óleo maravilhosas; ando pelo salão iluminado, observo cada detalhe das pinturas: as cores, a beleza dos traços, tudo tão lindo e estranhamente familiar; tento ler quem assina os quadros, não consigo reconhecer o nome e pergunto a um rapaz ao meu lado se ele conhece o artista; sorrindo, ele indica uma mesa, do outro lado do salão, onde o pintor está sentado, começo a atravessar o salão lotado para poder cumprimentá-lo e ao me aproximar um pouco mais, consigo ver seu rosto de perfil e imediatamente paro, quase perco os sentidos: não pode ser Luiz Cláudio, meu grande amor da juventude, seria muita ironia, depois de vinte anos… Encontrá-lo justamente hoje.

É tudo tão irreal, como se eu estivesse vendo um fantasma do meu passado, ali, há poucos metros de distância. Luiz Cláudio… Com uma aparência jovem, elegante, bem-sucedido − incrivelmente diferente do rapaz pobre que conheci na adolescência, a cabeça cheia de sonhos e a carteira vazia −; vejo que conseguiu realizar seus sonhos artísticos, ficou famoso, tornou-se profissional.

Sua presença me faz mergulhar nas lembranças, nossos encontros proibidos, quando eu te esperava, ansiosa, atrás do muro da escola, com medo de que alguém nos visse; nosso amor era tão puro, éramos jovens e inocentes, para nós tudo era tão simples, sonhávamos com um futuro cheio de amor, beleza e arte; ele queria ser um pintor famoso e eu uma cantora de sucesso; sonhos que minha família achava impossíveis, apenas tolices de um rapaz miserável, que estava tentando dar o golpe do baú numa moça rica e boba como eu, que poderia ter uma carreira promissora, uma vida brilhante.

Meus pais nos perseguiam, tornando o namoro cada dia mais difícil, ameaçaram matá-lo se eu insistisse em continuar o romance, então, para protegê-lo, decidi acabar com tudo, aceitando as imposições familiares, me formei no que queriam e pior, me casei − como meus pais desejavam −, com um rapaz “adequado”; que hoje vai divorciar-se de mim, sem maiores explicações. Descobri da pior forma, que o casamento sem amor é uma prisão sem muros, enquanto Célio galgava posições nas empresas de meu pai e colecionava namoradas, eu me tornei uma pessoa fria, uma dona de casa frustrada; a tristeza fez com que eu nunca mais conseguisse cantar; fui ficando murcha, seca; observando as rugas destruírem meu rosto e minha alma morrer um pouco a cada minuto.

E hoje, o destino resolveu me torturar ainda mais, colocando o único amor que tive novamente em meu caminho; preciso sair daqui antes que Luiz Cláudio veja a mulher horrível que me tornei, não suportaria receber, depois de tantos anos, de alguém que nunca pude esquecer, um olhar de pena, ou repulsa; sei que se isso acontecesse, eu morreria aqui mesmo, no meio do salão − causando um enorme escândalo −, o que uma mulher da minha “posição”, não poderia se dar ao luxo.

Tento desviar das pessoas e encontrar a saída, fugir, correr, desaparecer, mas o local está muito cheio e sou obrigada a andar devagar, quando finalmente chego às escadas, sinto um toque gentil em meu ombro, paro, sabendo exatamente quem está atrás de mim, giro o corpo lentamente, não há como escapar; ele sorri, ficamos assim, parados, olhos nos olhos, vinte anos de amor perdido girando em nossas mentes; todo meu temor desaparece diante de seu olhar doce, nostálgico; não me sinto mais feia, nem miserável, sou novamente a menina cheia de sonhos; estamos mudos, pois não haveria palavras para descrever o que sentimos, nossos corpos estão tão próximos, sinto a iminência de um beijo, me entrego aos sentimentos, seguro suas mãos e me aproximo mais, pronta para destruir as barreiras; mas o encanto é quebrado pelo som dos alto-falantes me chamando para a audiência; solto suas mãos e vou subindo as escadas com lágrimas nos olhos, antes de chegar ao último degrau, ouço aquela voz linda e suave ecoando no salão:

― Maria Helena, saiba que eu não te esqueci e que você está mais linda do que nunca! Você é a musa que sempre inspirou as minhas obras e estará comigo para sempre!

Não respondo, subo correndo em direção à sala de audiências, mas, algo de repente muda dentro de mim, a tristeza e a sensação de desamparo que eu sentia desapareceram, suas palavras, as únicas depois de tantos anos, foram tão poderosas que livraram minha alma do desespero, me sinto confiante e com coragem para iniciar uma nova vida, enfrentar o divórcio e voltar a viver, talvez a amar novamente, ou reatar uma antiga paixão.

Somente o tempo, ou dois andares de escada, poderão dizer.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Site desenvolvido com WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: