POESIA: ACANHADA

Há quem chore de alegria.

Há os que choram por tristeza.

Há os que não têm força nem para chorar.

Secaram as lágrimas.

Deu-se a estiagem de sentimentos.

A alma racha como o solo.

E, as fendas se encontram no inconsciente.

A gritar passivo por ajuda.

No agreste, o mandacaru reina soberbo.

No charco, o arrozal encharcado vive solenemente.

No corpo o peso da água é mais da metade.

Somos águas-vivas.

No planeta, setenta por cento é água.

Somos praticamente água

imersos em mais água.

Diluímo-nos.

Ficamos irreconhecíveis

Mas, ainda há a lágrima que

não quer existir.

A dor que não quer aportar

nesse oceano de mágoas.

No cais da sobrevivência,

as amarras apodrecem.

Silenciosamente.

Gradualmente.

Até que nos vem a desatar.

Espetáculo cíclico.

Sustentáculo mítico.

A mentira é uma verdade acanhada.

Um comentário em “POESIA: ACANHADA

Adicione o seu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Site desenvolvido com WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: