POESIA: GUERRAS IMPLÍCITAS

Discursos que duelam.

Olhares que esgrimam.

Corpos que detonam

mísseis de adrenalina.

Palavras que disputam atenção

e gritos que compõe a trilha

sonora do desespero.

Violências sub-reptícias

no embate diário.

Onde não se dorme.

Onde não há descanso.

Há ironias e farpas

dilacerantes de ódio gourmet,

raiva requintada

flutuando nas bolhas de champagne ou

da água mineral com gás

E induzindo a embriaguez necessária

e anestésica.

Para encobrir ferimentos,

chagas e dores substituindo por outros

incômodos.

Substituímos a dor cerebralina

pela estomacal.

A agressão comezinha apenas

pelo lirismo incidental.

Todas essas guerras implícitas.

Abreviadas na semântica

do olhar oblíquo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Site hospedado por WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: