POESIA: TRÍPTICO

O rebuliço das andorinhas no beiral da igreja. Na madrugada – o rastro luminoso do farol. Desejo de reinvenção.  E palavras adormecidas. 

Daquela época – nomes. Lista de nomes. Até os resultados da investigação com aquela cara no jornal. Era ele. Era ele. 

Cinegrafistas – imagens ao vivo para o noticiário da tevê. O vulcão. Lavas do vulcão. Mas desta parte estou especialmente cansado. Ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Site hospedado por WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: