Categorias
Mayanna Velame Poesia

POESIA: PORTUGUÊS AMOROSO I

Tropeço em

vírgulas, retiro

teu ponto final.

E, sobre ti, espalho

Categorias
Mayanna Velame Poesia

POESIA: EIXOS

O mundo

Mudo.

Apenas rodopiou.

Fora dos eixos,

Entregou-se à gravidade.

Categorias
Contos Mayanna Velame

CONTO ABERTO

De: Mayanna Velame

Uma folha em branco sobre a mesa. Uma caneta sem tampa, abandonada entre as páginas de um dicionário fechado. Dedos nervosos, de unhas ruídas tamborilam a escrivaninha repleta de papéis surrados. A imaginação não voa.

A garrafa de vinho seca se espatifa ao chão. Cacos de vidro são palavras despedaçadas. Cigarro aceso. Uma baforada e a fumaça encobre as ideias.  Uma palavra é escrita, mas logo é apagada.

A cadeira está vazia. Passos soltos pelo apartamento. Silêncio, suspiros, suor, transpiração e inspiração. O relógio se mostra, os ponteiros dançam. O balé das horas é sempre melancólico. A mão alcança um lápis de ponta fina. Ele é levado até a boca, recebe a umidade dos lábios. Escrever é não desistir. Um corpo se debruça sobre a escrivaninha. Consoantes, vogais, frases, orações, períodos e parágrafos. Escrevemos para quê?

Palavras passeiam sobre a folha em branco. Personagens prisioneiros de suas atitudes involuntárias. Devaneios secretos, peripécias, reviravoltas… leitores. Um conto aberto, sem ponto final…


“Segunda vez, nesse momento,

         Sorriu-me o triste pensamento;

Vou sentar-me defronte ao corvo magro e rudo;

         E mergulhando no velludo

      Da poltrona que eu mesmo alli trouxera

      Achar procuro a lugubre chimera,

      A alma, o sentido, o pavido segredo

         Daquellas syllabas fataes,

Entender o que quiz dizer a ave do medo

         Grasnando a phrase: — Nunca mais.”

O Corvo – Edgar Allan Poe